5 livrarias estrangeiras que talvez não conheça (mas devia)
Venha descobrir 5 livrarias para todos os gostos.

Por Leonor Rodrigues.

Qualquer bibliófilo adora uma boa livraria. É por isso que, para os não bibliófilos, pode ser tão frustrante viajar com quem não perde uma oportunidade de explorar uma livraria (o que leva, invariavelmente, à explicação de que não, as livrarias não são todas iguais). O Eu Leio em Casa convida os seus leitores a descobrir 5 livrarias estrangeiras que talvez não conheçam (mas deviam).

Bluestockings, Nova Iorque (Estados Unidos)

A Bluestockings foi fundada em 1999 por Kathryn Welsh como uma livraria feminista. O seu objetivo era criar uma livraria que funcionasse também como um espaço cultural e comunitário para mulheres. Hoje, e depois de uma reconversão no início dos anos 2000, é uma livraria comunitária e uma coletividade. Assume-se como um espaço de pendor radical dedicado ao feminismo, a questões racionais e de género, sexualidade, política, estudos indígenas e outros assuntos relacionados. Contam ainda com um café e um extenso programa cultural, entre clubes do livro, conversas e debates, que contribuem para a criação de uma verdadeira comunidade em torno deste projeto.

Atlantis Books, Santorini (Grécia)

O que é um destino paradisíaco sem uma boa livraria? Foi isto que pensaram Oliver e Craig quando visitaram Santorini em 2002. Daí até acabarem a universidade, juntarem uns amigos e abrirem a Atlantis Books passaram 2 anos. A livraria é agora um dos marcos da ilha, um espaço extraordinário cheio de livros em várias línguas, com desenhos e pinturas nas paredes e até uma cronologia da história deste projeto. A decoração característica, a desorganização organizada que faz as delícias dos bibliófilos, as prateleiras a abarrotar de livros, os cães e os gatos e os eventos culturais tornam a Atlantis Books uma experiência única — com a paisagem idílica da ilha grega como pano de fundo.

Persephone Books, Londres (Inglaterra)

Esta pequena livraria londrina está sediada num edifício que data do início do século XVIII. Além de livraria, é também uma editora, e é aqui que podem ser comprados os livros que publicam (137, até agora). Entre romances, não-ficção, contos e memórias, têm como objetivo republicar vozes negligenciadas do século XX, sobretudo (mas não exclusivamente) mulheres. Os livros são distintivos, com capas cinzentas e guardas coloridas feitas a partir de padrões de tecidos, com marcadores a condizer. Se, por alguma razão, os livros da Persephone não forem para si, tem também uma pequena seleção de livros intitulada “Fifty books we wish we had published”. Um espaço diferente com um espírito diferente para incluir no itinerário de qualquer bibliófilo. 

Chongqing Zhongshuge Bookstore, Chongqing (China)

Entrar na Chongqing Zhongshuge Bookstore é entrar numa obra de Escher. Um jogo de espelhos e escadas em ziguezague criam um efeito hipnótico numa livraria invulgar da autoria do estúdio de arquitetura X+ Living. Mas não só de ilusões de ótica se faz esta livraria: no seu desenvolvimento, pensou-se em como melhorar e amplificar a experiência dos leitores. A largura das escadas, nas quais o público é convidado a sentar-se a ler, é apenas um exemplo. Há também espaço para um café, decorado (claro) com livros, e para uma secção dedicada aos mais novos, que usa uma estética completamente diferente do resto da livraria. Se a visitar com uma criança, prepare-se: a probabilidade de nunca mais conseguir tirá-la de lá é muito elevada.

Honesty Bookshop, Hay-on-Wye (País de Gales)

A Honesty Bookshop é uma livraria muito especial. Fica ao ar livre, junto às muralhas do castelo de Hay e tem centenas de livros usados à disposição dos leitores, pelo preço máximo de uma libra. Está aberta 365 (ou 366, dependendo dos casos) dias por ano, 24 horas por dia. E é aqui que se explica o nome caricato deste espaço: a Honesty Bookshop não tem funcionários nem segurança. Tem uma caixa onde os leitores são convidados a deixar o valor correspondente aos livros que pretendem levar. Todas as receitas revertem a favor da Hay Castle Trust. Para quem gosta de livros usados e experiências literárias fora da caixa, esta livraria é imprescindível. Da nossa parte, já estamos a tentar descobrir a melhor forma de chegar a Hay-on-Wye. E o leitor?

O que achou da nossa seleção? Que livrarias gostaria de recomendar aos nossos leitores? Diga-nos nos comentários.

***

Se quiser conhecer outros artigos do euleioemcasa.pt, subscreva a nossa newsletter. Não se preocupe. Não o vamos maçar todos os dias.