Tête-à-tête Literário, com a Livraria Cólofon
Livraria Cólofon: resgatar o passado para perceber o presente e preparar o futuro.

O alfarrabista da Livraria Cólofon, em Guimarães, acredita que as livrarias alfarrabistas têm um papel fundamental na manutenção da memória coletiva. Ao mesmo tempo, Francisco Brito assume como responsabilidade da sua casa garantir que o mercado continua a ter acesso a um catálogo diversificado e desafiante.

Como tem sido a vossa adaptação a esta nova realidade?

A Cólofon já trabalhava em grande parte através de catálogos online. Assim, a adaptação passou fundamentalmente por pensar em novas estratégias para aperfeiçoar esse modelo com o intuito de fazer face ao difícil período que atravessamos. 

Um pouco antes de ser declarado o «Estado de Emergência» tomámos a iniciativa de encerrar as instalações da livraria. Informámos os nossos clientes que o envio de livros passaria a estar um pouco condicionado. Foi escolhido um dia por semana para a expedição de encomendas de modo a diminuir o número de deslocações aos Correios.

Como tem sido a resposta dos vossos clientes? Mantêm o contacto com eles? Aconselham-nos?

Reconhecemos que o contacto com os clientes diminuiu um pouco. No entanto, a resposta tem sido positiva apesar de se notar uma quebra na procura de livros e nas vendas. 

Quem quiser encomendar um livro convosco como deve proceder?

É um processo simples. A Cólofon lança cerca de 3 catálogos mensais a que todos podem aceder subscrevendo a newsletter da livraria. Além disso, respondemos a todas as solicitações que nos chegam por email ou através de contacto telefónico.  Os livros são enviados através dos CTT para qualquer ponto do país, com total segurança. 

Que projetos e campanhas estão a preparar para o futuro?

Neste momento a Cólofon está envolvida na campanha «Vale Futuro», lançada por algumas livrarias da RELI (Rede de Livrarias Independentes). A campanha consiste em transferir neste momento uma determinada quantia para a livraria, que funcionará como um voucher (com um bónus de 10%) para usar a partir do dia 21 de Junho.

Também temos em preparação a edição fac-símile de um livro escatológico do século XVIII. 

A livraria tem um papel social. É altura para se pensar que papel é este e como pode ser protegido? De que formas?

Neste momento uma das principais funções das livrarias alfarrabistas e independentes é a de trazer diversidade a um meio que por vezes parece demasiado marcado pelas escolhas dos grandes grupos editoriais e das cadeias de distribuição. Não quero com isto dizer que esses grupos façam más escolhas. Apenas pretendo sublinhar que há muito mais para conhecer do que aquilo que nos é apresentado nas prateleiras de um qualquer supermercado. 

Aos alfarrabistas, em particular, cabe o papel de trazer livros do passado e documentos e espécies menores com interesse para colecionadores, investidores, investigadores e curiosos. 

Que três livros à venda na vossa livraria recomendariam?

Sombra Silêncio de Carlos Poças Falcão (Guimarães. Opera Omnia. 2018. 62 pp. 20, 5 cm. B). Reúne poesias de Carlos Poças Falcão num volume que impressiona pela reflexão profunda que faz sobre a condição humana e sobre a relação do Homem com Deus. Tem um preço de 10 euros.   

Londres de Teixeira de Pascoaes (Lisboa, D. Manuel de Castro e Guilherme de Faria Editores. 1925. 17 pp. 18 cm B). A história de «Londres» é bem conhecida dos leitores de Teixeira de Pascoaes. Provavelmente em Outubro de 1908, vivendo no Porto, Pascoaes conheceu uma senhora inglesa, Leonor Dogge (ou Dagge), por quem se apaixonou perdidamente. Manteve algum convívio com Leonor e com a família desta ao longo do ano de 1909. Nessa altura fica convencido que o seu amor é correspondido, mas entretanto Leonor abandona o Porto e  regressa a Londres. Inconformado, Pascoaes persegue-a e embarca para a capital inglesa em Novembro de 1909. Regressou a Portugal em Janeiro de 1910, triste e desiludido, pois o seu amor não havia sido correspondido. O poema conta a história dessa aventura e de um período que coincide com uma  grande mudança na vida de Pascoaes pois é nesse momento que decide abandonar a advocacia e dedicar-se exclusivamente à escrita. O preço é de 30 euros.  

Las quatro partes enteras dela crónica de España que mandó componer el serenissimo Rey Don Alonso llamado El Sábio, donde se contienen los aconticimientos y hazañas mayores y más señaladas que sucedieron en España de Florián de Ocampo. (Zamora: Por los honrados varones Augustin de Paz y Juan Picardo compañeros impressores de libros vezinhos dla dicha cidad. A costa y espensas [..] virtuoso varon Juan d Spinoza mercador d libros vezino d Medina d Capo.) É a primeira edição desta importantíssima crónica de Dom Afonso, o Sábio que, na verdade, é uma fabulosa crónica da história da Península Ibérica. Tem início numa contextualização que começa com o Dilúvio, passando depois  para a história da Babilónia, Grécia antiga e Império Romano e seguindo, por fim, para a história da fundação dos primeiros reinos peninsulares, das suas principais linhagens reinantes e dos conflitos que estas tiveram entre si e com os muçulmanos. Esta crónica, importantíssima para a História de Espanha, é também importante para a História de Portugal, uma vez que trata do «Principio del Señorio de Portogal», da «Genealogia de los Senõres de Portogal», do «Rey Primeiro de Portogal», da «Vitoria dl rey de Leon contra los portogaleses», do «Presio del primero rey de Portugal en Badajoz», etc. Tem um preço de 7250 euros.

A loja física da livraria alfarrabista Cólofon está fechada, mas é possível visitá-la através do seu site. Além disso, estão presentes no Facebook. Aconselham o contacto através do e-mail e do telefone 919 565 462.

Se quiser conhecer outros artigos do euleioemcasa.pt, subscreva a nossa newsletter. Não se preocupe. Não o vamos maçar todos os dias.