Tête-à-tête Literário, com Ana Luísa Amaral
Uma entrevista a Ana Luísa Amaral sobre livros e literatura.

Nesta rubrica, Ana Luísa Amaral responde a 10 perguntas indiscretas sobre livros e literatura.

Livros e leitores. Fixações, obsessões, paixões assolapadas, ódios de estimação. Perguntas de algibeira, umas discretas, algumas indiscretas. Algumas perguntas de gosto duvidoso, outras a pedir provocação ou uma espécie de exaltação. O que falamos quando falamos de livros e aquilo que estamos disponíveis para revelar. Gente conhecida, anónimos, bons leitores, todos gente com opinião.

Qual a primeira memória que tem como leitor?

Aprendi a ler aos cinco anos. O primeiro livro que comecei a ler foi O Patinho Feio. Era um livro de capa dura, a minha mãe acabou por mo tirar, porque eu desatei a chorar. Só o li todo um ano depois, quando já andava na primeira classe. Mas ainda hoje me lembro da profunda tristeza do patinho ao ser rejeitado.

Qual o pior defeito de um escritor?

A vaidade e a falta de capacidade de admiração pelos outros.

Qual é a sua santíssima trindade da literatura?

Emily Dickinson, William Shakespeare, Luiz de Camões.

Relê ou não gosta de se banhar duas vezes no mesmo rio?

Ah, releio imenso; o prazer num romance, para mim, não é tanto a história, mas a beleza das palavras. Na poesia, então, nem se fala. Há poemas a que volto sempre. Ainda hoje.

Que lugar quis conhecer por causa de um livro?

Alhambra. Por causa de um livro que li em criança, Contos de Alhambra.

Que livro gostava de ter escrito?

Os poemas de Emily Dickinson.

Escrever é um super-poder?

Escrever é como estar vivo. E estar vivo é poder.

Qual o livro que mais ofereceu?

 Os livros todos de Agatha Christie — a minha mãe.

Qual o livro cuja leitura está constantemente a adiar?

Não me lembro de nenhum. Durante muitos anos, foi Ulisses, de James Joyce, mas depois acabei por o ler para arguir uma tese.

Ler é a melhor arma para a ignorância?

Não é a única, mas é seguramente uma das mais importantes armas contra a ignorância. Porque nos abre a universos múltiplos e feitos de multiplicidade e até ambiguidade, ao passo que a ignorância é ditatorial: é unívoca e acha que detém uma só, e sempre a mais certa, verdade.

A autora

Ana Luísa Amaral (1956) é autora de mais de três dezenas de livros, quer de poesia, quer de teatro, quer de ficção, quer infantis. As suas obras mais recentes em Portugal são What’s in a Name (poesia, Assírio & Alvim, 2017), Lenga Lenga de Lena, a Hiena (infantil, zeroaoito, 2019) e Arder a Palavra e Outros Incêndios (ensaio, Relógio D’Água, 2017, vencedor do Prémio da Associação Portuguesa de Críticos Literários). Os seus livros estão traduzidos e editados em países como Inglaterra, Brasil, França, Espanha, Suécia, Itália, Holanda, Colômbia, Venezuela, México ou Estados Unidos da América, sendo que o seu mais recente livro no estrangeiro é What’s in a Name (trad. Margaret Jull Costa, New York, New Directions, 2019; trad. Livia Apa, Milano, Crocetti, 2019, e Madrid, Sexto Piso, 2020). Traduziu diferentes autores, como Emily Dickinson, William Shakespeare ou John Updike. Obteve várias distinções e prémios, como a Medalha de Ouro da Câmara Municipal de Matosinhos, a Medalha da Cidade de Paris, a Medalha de Ouro da Câmara Municipal do Porto, por serviços à literatura, o Prémio Literário Correntes d’Escritas, o Premio di Poesia Giuseppe Acerbi, o Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores, o Premio Internazionale Fondazione Roma, ou o Prémio PEN de Ficção. Finalista por duas vezes do Prémio Portugal Telecom (2009 e 2014) e proposta para o Prémio Rainha Sofia (2017). Tem, com Luís Caetano, um programa semanal na Antena 2 sobre poesia, O Som que os Versos Fazem ao Abrir. É professora aposentada da Faculdade de Letras do Porto e membro da Direção do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa, no âmbito do qual coordena o grupo internacional de pesquisa Intersexualidades.

Ana Luísa Amaral é convidada da 14.ª edição do LeV — Literatura em Viagem, que será totalmente em streaming, na página de Facebook da Câmara Municipal de Matosinhos. Conheça a programação do evento aqui.

Se quiser conhecer outros artigos do euleioemcasa.pt, subscreva a nossa newsletter. Não se preocupe. Não o vamos maçar todos os dias.