Tête-à-tête Literário, com Joana Bértholo
Uma entrevista a Joana Bértholo sobre livros e literatura.

Nesta rubrica, Joana Bértholo responde a 10 perguntas indiscretas sobre livros e literatura.

Livros e leitores. Fixações, obsessões, paixões assolapadas, ódios de estimação. Perguntas de algibeira, umas discretas, algumas indiscretas. Algumas perguntas de gosto duvidoso, outras a pedir provocação ou uma espécie de exaltação. O que falamos quando falamos de livros e aquilo que estamos disponíveis para revelar. Gente conhecida, anónimos, bons leitores, todos gente com opinião.

Qual a primeira memória que tem como leitora?

Demorou-me a gostar de livros «só de letras» pois comecei por ser ávida leitora de banda-desenhada. É dessas coleções de quadradinhos, em formato A4, que guardo a primeira memória de pegar numa história e não a conseguir largar. De o mundo em redor desaparecer.

Qual o pior defeito de um escritor?

Subestimar o leitor.

Qual é a sua santíssima trindade da literatura?

Silêncio, tempo, escuta.

Relê ou não gosta de se banhar duas vezes no mesmo rio?

Comecei a reler. Até aos 30 anos não reli, angustiava-me. Pensava em todos os títulos que ainda não tinha lido. Depois, com a experiência de preparar aulas, ou só para reavivar o que me marcou tanto num livro, percebi o valor da experiência, e agora releio. Mas ainda me angustiam todos os títulos por ler…

Que lugar quis conhecer por causa de um livro?

Não tenho esse impulso. Em tendo de escolher, então, Flatland — O Mundo Plano, de Edwin Abbott Abbott.

Que livro gostava de ter escrito?

O I Ching; o Tao Te Ching; as Cartas a Lucílio, de Séneca; ou A Divina Comédia», de Dante Alighieri. Mais recentes: A Vida: Modo de Usar, de Georges Perec; ou A Noite e o Riso, de Nuno Bragança.

Escrever é um super-poder?

Não.

Qual o livro que mais ofereceu?

Cândido ou O Otimismo, de Voltaire; mais tarde, Libertação Animal, de Peter Singer.

Qual o livro cuja leitura está constantemente a adiar?

Muitos. Demasiados. Aparecem constantemente títulos novos — e não me refiro às novidades.

Ler é a melhor arma para a ignorância?

A ignorância pode ser só uma fase no processo de conhecer, e também um livro pode conter ideias ignorantes. É difícil imaginar um livro do qual nos afastemos mais ignorantes, mas há muitos que largamos igualmente ignorantes. Há textos que só confirmam o que já queremos acreditar acerca do mundo. É preciso ir ler longe do nosso círculo imediato de crenças e ideias. Então, sim, ler torna-se um labor para lá da ignorância.

A autora

Joana Bértholo nasceu em Lisboa, 1982. É licenciada em Design pelas Belas-Artes de Lisboa; e doutorada em Estudos Culturais, na Alemanha. Foi com o Erasmus para a Bélgica, Leonardo para Berlim, e SVE para Buenos Aires. Em 2019, foi para Maputo numa residência do Camões — CCM e da CML. Os seus três romances, dois livros de contos e um livro juvenil foram todos publicados pela Caminho. Diálogos Para o Fim do Mundo recebeu o Prémio Maria Amália Vaz de Carvalho 2009; O Museu do Pensamento foi considerado melhor livro infantojuvenil em 2018, pelo Festival Literário de Fátima e pela Sociedade Portuguesa de Autores; e Ecologia foi finalista de prémios como o APE, PEN Clube, DST, Casino da Póvoa, e semifinalista do Oceanos. Tem outros textos noutras editoras, com destaque para a Dois Dias e as Edições Prado.

Joana Bértholo é convidada da 14.ª edição do LeV — Literatura em Viagem, que será totalmente em streaming, na página de Facebook da Câmara Municipal de Matosinhos. Conheça a programação do evento aqui.

Se quiser conhecer outros artigos do euleioemcasa.pt, subscreva a nossa newsletter. Não se preocupe. Não o vamos maçar todos os dias.