Tête-à-tête Literário, com Valério Romão
Uma entrevista a Valério Romão sobre livros e literatura.

Nesta rubrica, Valério Romão responde a 11 perguntas indiscretas sobre livros e literatura.

Livros e leitores. Fixações, obsessões, paixões assolapadas, ódios de estimação. Perguntas de algibeira, umas discretas, algumas indiscretas. Algumas perguntas de gosto duvidoso, outras a pedir provocação ou uma espécie de exaltação. O que falamos quando falamos de livros e aquilo que estamos disponíveis para revelar. Gente conhecida, anónimos, bons leitores, todos gente com opinião.

Faz ideia de quanto já gastou em livros? Não teria sido melhor dar uma volta ao mundo?

Ler é também ter a possibilidade de dar a volta ao mundo, e até mais: é dar a volta ao mundo, a mundos que não existem e a tempos pelos quais só nos relacionamos indirectamente. Não faço ideia de quanto gastei em livros.

O que não perdoa que suceda num bom livro?

Ser subestimado enquanto leitor.

Qual foi o último livro que comprou?

Uma biografia do Estaline, do Robert Service.

Se mandasse, que livro proibia?

Proibir livros? Mas estamos a brincar?

O que o acompanha sempre na leitura?

Normalmente o sofá; a espaços, a cama.

Qual o livro que nunca teve paciência para ler?

A Piada Infinita, do Foster Wallace.

Os livros podem salvar a humanidade?

Não. Os livros, no máximo dos máximos e cada vez menos, salvam pessoas.

Que lugar quis conhecer por causa de um livro?

São Petersburgo, por causa de Dostoiévski.

Quem é o seu escritor de eleição? Ou é uma escritora?

Gosto muito do trabalho da Dulce Maria Cardoso, se tiver de realçar apenas um.

Relê ou não gosta de se banhar duas vezes no mesmo rio?

Gosto muito de reler, coisa que me angustiava muito até uma certa idade, porque achava que reler era gastar indevidamente tempo de leitura que podia ser aproveitado para descobrir coisas novas. Agora penso que cada livro comporta uma multiplicidade de universos que só as releituras tornam acessíveis.

O que recomendaria a um extraterrestre que soubesse ler português?

Os Sinais de Fogo, do Sena, Os Lusíadas ou o Livro do Desassossego.

O autor

Valério Romão nasce em França em 1974. Tem três romances publicados (Autismo [2012], O da Joana [2013], Cair para dentro [2018], todos pela Abysmo); três livros de contos (Facas [2013, Companhia das Ilhas], Da Família [2014, Abysmo], Dez razões para aspirar a ser gato [2015, Mariposa Azual]); e duas peças de teatro (A Mala [2015, Guilhotina], Irina, Macha, Olga [2016, Não Edições]). Tem publicado na Granta Portugal e Brasil, Granta UK e Granta Suécia; o seu livro O da Joana foi publicado em Itália pela Caravan Edizioni, e Autismo foi publicado no Brasil pela Tinta-da-China Brasil e em França pela Chandeigne (que também publicou a recolha de contos Da Família, em 2017, e o romance O da Joana, em 2019), onde foi finalista do Prémio Femina em 2016. É igualmente tradutor e dramaturgo.

***

Se quiser conhecer outros artigos do euleioemcasa.pt, subscreva a nossa newsletter. Não se preocupe. Não o vamos maçar todos os dias.